Por isso, Deus elevou Jesus acima de tudo e lhe deu o Nome que está acima de todo o nome; para que ao nome de Jesus se dobrem todos os joelhos: no Céu, na Terra e debaixo da terra; e para que todos proclamem, para glória de Deus Pai: Jesus Cristo é o Senhor! Filipenses 2:9-11 (BPT)

Quanto mais velho fico, mais atenção presto aos meus joelhos. Costumava não pensar neles, excepto talvez quando esfolava enquanto criança ou quando me magoava ao jogar basquetebol. Mas agora estou ciente do desgaste implacável que sofrem, e não os tomo como garantidos. Sendo as maiores articulações do corpo humano, elas são suficientemente robustas para me apoiarem quando me levanto, e também flexíveis o suficiente para se dobrarem com cada passo que dou. Ordeno ao meu joelho que se mova com força suficiente para chutar uma bola, mas não consigo controlar um reflexo involuntário ao toque leve de um martelo bem colocado.

Os meus joelhos também me permitem ajoelhar-me para orar no chão ao lado da minha cama todas as noites ou no meu armário à medida que começo cada manhã. E esta postura física exterior é um reflexo de uma postura espiritual interior: um joelho curvado demonstra um coração humilde.

Carl Jung, o famoso psicoterapeuta, costumava contar uma história sobre um rabino. Alguém perguntou ao rabino: “Porque é que Deus se revelava frequentemente às pessoas nos tempos antigos, mas hoje em dia, ninguém o vê”? O sábio rabino respondeu: “Porque agora ninguém se dobra suficientemente baixo para ver Deus”.

Jesus ensina-nos um modelo perfeito desta postura. O apóstolo Paulo escreve que embora Jesus pudesse usar a sua natureza de Deus em proveito próprio, “privou-se do que era seu” e humilhou-se até à morte numa cruz (ver Fil. 2:6-8). Ele não jogou a sua “carta de Deus”. Desceu para assumir a forma humana, e depois ajoelhou-se ainda mais na postura de um servo. E quando o fez, Deus O exaltou.

Também somos chamados a esta mentalidade. Como filhos e filhas de Deus nesta era auto-suficiente, sejamos contra-culturais. Valorizemos os outros acima de nós mesmos, pois valorizamos a Cristo acima de tudo.

Juntos e individualmente, rebaixemo-nos cada vez mais de modos que também nós possamos ter um vislumbre de Deus. Assumir uma postura orgulhosa diante de alguém que é maior nunca nos levará muito longe. De facto, “Deus se opõe aos orgulhosos, mas concede graça aos humildes” (1 Pedro 5:5, NVT). A nossa busca por Deus deve começar sempre de joelhos.

Buscando Hoje

Leia Filipenses 2:1-4, destacando ou sublinhando frases que descrevem uma postura humilde para com os outros. Ore por algumas formas práticas de “olhar para os interesses dos outros” hoje em dia. Escreva-as, e comprometa-se a praticá-las.

Um pensamento adicional: Para alguns, pôr-se de joelhos para orar é um desafio não apenas desconfortável fisicamente. Mas há algo de humilde nisso, e essa é a questão. Encontre um lugar calmo, ponha-se de joelhos, e peça ajuda a Deus. Comece a sua oração com estas três simples palavras: “Eu preciso de ti . . .”

Kyle Idlman

… não é só de pão que o homem vive, mas que pode viver de tudo o que Deus lhe proporcionar com uma palavra sua. Deuteronómio 8:3 (BPT)

A leitura diária da Bíblia é um hábito que vale a pena desenvolver. A Palavra alimenta-nos espiritualmente e satisfaz a nossa sede de paz. Condena-nos do pecado e fala-nos da graça de Deus. Mesmo assim, a Bíblia não saltará para as suas mãos nem exigirá a sua atenção. É provável que ninguém esteja a verificar se passou tempo nas Escrituras hoje. No entanto, poucas coisas poderiam possivelmente ser mais importante.

Segundo a Sociedade Bíblica Americana, mais de metade da população gostaria de ler a Bíblia mais vezes, mas apenas 15% dos americanos o fazem diariamente. Os do Sul e os idosos fazem-no da melhor forma. (Assim, se for um idoso sulista, receberá um passe livre para saltar para o próximo devocional).

A maioria de nós usa a mesma razão para não passar um tempo diário na Bíblia: “Estou demasiado ocupado”. Mas estamos mesmo? Não quero ser muito intrometido, mas quanto tempo passou hoje no Facebook ou no Printerest? Com que frequência verificou o seu feed do Instagram ou analisou as últimas ofertas Groupon? Quanto tempo estacionou em frente da sua televisão ou consola de jogos? Encontramos muito tempo para ler as manchetes das notícias de hoje ou devorar o nosso mais recente romance. Contudo, ignoramos as próprias palavras – as únicas palavras – que têm o poder da vida.

O que se alimenta é aquilo por que se começa a desenvolver o apetite. A Palavra de Deus apelar-lhe-á cada vez mais à medida que aprende a afastar-se de interesses concorrentes. Por outras palavras, poderá ter de subtrair algo para acrescentar a leitura da Bíblia ao seu dia. Mas acabará por descobrir que a tarefa vale bem a pena.

Buscando Hoje

Para ajudá-lo a desenvolver um novo hábito, planeie ler a sua Bíblia (mesmo que seja durante alguns poucos minutos) no mesmo horário e local todos os dias. Deixe a sua Bíblia aberta ou ponha um alarme para o lembrar. Experimente-o durante o resto dos vinte – cinco – dias. Se tiver algum tempo extra, leia o Salmo 119, um salmo inteiro dedicado ao poder da Palavra de Deus. Observe todos os diferentes nomes para a Palavra de Deus – leis, estatutos, etc., depois tome nota de todos os benefícios de passar tempo nela.

as Sagradas Escrituras, que lhe deram sabedoria para receber a salvação que vem pela fé em Cristo Jesus.
Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para nos ensinar o que é verdadeiro e para nos fazer perceber o que não está em ordem em nossa vida. Ela nos corrige quando erramos e nos ensina a fazer o que é certo.
Deus a usa para preparar e capacitar seu povo para toda boa obra.
2 Timóteo 3:15-17 (NVT)

Já andou pelo corredor de uma escola de música no fim da tarde, passando pelas portas fechadas da sala de ensaios? Se o fizer, provavelmente quererá tapar os ouvidos. Cada músico a praticar uma música diferente num instrumento diferente. O resultado é contra solos de trombone, um duelo de violoncelos com tubas. A música não parece pertencer um ao outro.

A Bíblia pode parecer assim. A medida que vira as páginas, encontra-se um pouco de tudo. Crónicas de guerras sangrentas. Correspondência educada. Contos retorcidos de intriga e traição. Poesia lírica. Profecias trovejantes. Registos legais enfadonhos. Pedidos desesperados de ajuda. Canções sensuais de amor. Se está à procura de uma apresentação unificada, poderá ficar desencantado rapidamente. Às vezes parece que tudo o que se ouve são notas chocantes.

No entanto, Paulo escreveu a Timotéo que cada palavra da Bíblia é inspirada por Deus. Cada capítulo é útil; cada refrão é útil. Quer se comova com as tão honestas letras dos Salmos ou atordoado pelas admoestações impiedosas de Obadias. Quer seja cativado pelas aventureiras missões de Paulo ou deprimido pelos lamentos de Job. Quer se sinta inibido pelo explicito Cântico dos Cântico ou inspirado pelas palavras de Jesus. O objetivo de tudo isto é treiná-lo a viver como Jesus, caminhar com Ele e juntar-se a Ele na sua missão.

Então, pare para ouvir, um livro, capítulo ou verso de cada vez. Mas não pare de ouvir; responda em obediência ao que ouviu. Descobrirá que quanto mais responder ao que ouve, mais ouvirá. E a medida que responde, descobrirá que está “capacitado para toda boa obra” para o qual bem antes Deus o planeou para efetuar.

Buscando Hoje

Abra a Bíblia e começa a lê-la. Não sabe por onde começar? Faça o download de um aplicativo sobre a Bíblia no seu smartphone e escolha uma das centenas de bons planos de leitura. Mas começa hoje. Ao ler, tenha um diário à mão para anotar o que ouve Deus a dizer-lhe. Ainda que lhe pareça desagradável, a sua obediência será uma música para os ouvidos de Jesus.

Estejam sempre alegres. Nunca deixem de orar. Sejam gratos em todas as circunstâncias, pois essa é a vontade de Deus para vocês em Cristo Jesus. 1 Tessalonicenses 5:16-18 (NVT)

Se o nome Irmão Lawrence soa familiar, não é porque ele é irmão do Joey. Era um monge medieval que trabalhava na cozinha de um mosteiro, e que aprendeu a “praticar a presença de Deus” enquanto esfregava as panelas e frigideiras.

Por muito que admire o empenho do irmão Lawrence, lavar os pratos nunca foi um momento muito devocional para mim. A realidade é que tenho de ser intencional para marcar o tempo para estar na presença de Deus. Para mim significa reservar tempo todas as manhãs para entregar os meus pensamentos, os meus desejos e os meus planos a Deus. Não posso apoiar-me nos sucessos de ontem e muito menos viver paralisado pelos fracassos de ontem. Diariamente faço uma escolha para buscar a Deus, sabendo que “se O procurar, hei de encontrá-Lo” (ver Mt. 7:7,8).

Mas eis aqui a chave: quando a minha hora marcada com Deus chega ao fim, não digo a Deus: “Adeus”, “até logo”, ou “Falamos amanhã”; em vez disso, aceito o seu convite para caminhar com Ele durante todo o dia. Digo que quero manter a conversa em andamento. Tento continuar a falar e ouvir intencionalmente enquanto conduzo para o trabalho, assisto a reuniões, e, ocasionalmente, limpo a cozinha. Pratico a sua presença e antecipo a sua fiel atenção às minhas orações.

Não posso tratar o meu tempo diário com Deus como trato um treino físico, em que uma vez terminado, paro até ao dia seguinte. Em vez disso, tento pensar no meu tempo diário a sós com Deus como uma espécie de “treino espiritual”, a fim de percorrer a corrida do dia de forma eficaz, com mais paz e alegria do que jamais encontraria correndo sozinho. Pense assim: comece a sua oração pela manhã, e não diga “amém” até adormecer à noite.

Buscando Hoje

Se ainda não o fez, marque um tempo diário para o “treino”, mesmo que possa dedicar apenas cinco ou dez minutos no início. Para os dias seguintes, considere começar o seu dia lendo o Salmo 63:1-8. Leia-o em voz alta, fazendo dele a sua oração. Depois vê se consegue encontrar formas de exercitar os músculos do seu espírito ao longo do dia.

Acima de todas as coisas, guarde seu coração, pois ele dirige o rumo de sua vida. Provérbios 4:23(NVT)

O que é o seu “coração“? Na ciência, sabemos que é o órgão que bombeia o sangue e que faz com que o resto do corpo funcione. Ele não pensa; não sente. Mas na cultura hebraica, o coração era visto de forma diferente. Era uma metáfora para o centro ou núcleo da personalidade de uma pessoa. Era o foco espiritual, e a vida de uma pessoa fluía a partir das orientações do coração. Tudo fluía do coração – não apenas o sangue, mas a personalidade, as motivações, emoções, e a vontade.

No hebraico, a palavra para “coração” significa “o grão da noz“. O seu coração reflecte a sua verdadeira identidade. A compreensão deste conceito ajuda-nos a perceber porque é que “guardar o coração” é tão importante. Reconhecemo-lo como a fonte da qual fluem os nossos pensamentos, sentimentos e acções.


Em hebraico, a palavra para “coração” significa “o grão da noz“. O seu coração reflecte a sua verdadeira identidade. A compreensão deste conceito ajuda-nos a perceber porque é que “guardar o coração” é tão importante. Reconhecemo-lo como a fonte da qual fluem os nossos pensamentos, sentimentos e acções.

Imagine a futilidade e frustração de tentar limpar uma secção a jusante de um riacho, quando durante todo o tempo um depósito de lixo na fonte do riacho está continuamente a poluí-lo com carga após cargas de sujidade. Claro, poderia ir e limpar todos os dias, mas seria como empurrar uma rocha para cima de uma colina só para a ver a rolar de novo para baixo.

Quanto da sua vida tem sido lidar com o lixo visível a jusante, em vez do que o produz? É fácil concentrar-se na “mudança de comportamento“, apanhando apenas pedaços de lixo aqui e ali, tal como os vemos. Mas isso só trata dos sintomas. É uma metodologia de correcção rápida para um problema a longo prazo. É como uma ligadura para o cotovelo quando o problema é o coração. Não é que abordar os comportamentos não possa dar resultados positivos. É simplesmente que o cerne do problema é uma questão do coração.

Precisamos aprender a caminhar rio acima, tendo o Espírito Santo como guia, para remediar o problema na fonte. É um compromisso espantoso, mas valerá a pena o esforço extra.

Buscando Hoje

Reflita seriamente sobre as seguintes questões como uma espécie de “teste espiritual do coração“: O que o desilude? De que é que mais se queixa? Em que faz sacrifícios financeiros? O que é que o preocupa? Para onde se refugia quando está magoado? O que é que o enfurece? Quais são os seus sonhos? Memorize a promessa de Deus: “Se me buscarem de todo o coração, me encontrarão.Jeremias 29:13 (NVT)





Trabalhem sempre para o Senhor com entusiasmo, pois vocês sabem que nada do que fazem para o Senhor é inútil. 1 Coríntios 15:58 (NVT)

Todos queremos fazer diferença – não queremos nos apropriar do espaço ou ser mestres do tempo. Mas sejamos honestos, a maioria de nós diz coisas como: “Agora é tarde demais.” “Estou demasiado longe na minha carreira, já fiz muitas más escolhas.” “Estou demasiado velho.” “Queimei essas pontes há muito tempo, estou a carregar muitas bagagens.” “Não consigo quebrar estes hábitos.” “Não há uma maneira de rebobinar ou clicar em apagar.” “Agora é demasiado tarde.


Talvez nunca tenha sentido o chamado para o campo missionário, mas talvez sinta que teve algum tipo de oportunidade e que a perdeu. Quando sentiu que Deus queria que fizesse a diferença no seu bairro, mas não terá conseguido? Em tempos fez um esforço genuíno para conhecer os seus vizinhos e aprender os seus nomes, mas muitos deles terão mudado para outro lugar, e seria embaraçoso recomeçar com os que ainda permanecem. Acreditou que Deus queria que fosse um líder espiritual na sua casa, mas sentiu-se inadequado. Agora vê os seus filhos a tomar más decisões, afastando-se da fé, mas eles estão fora da sua casa e é tarde demais para voltar atrás e corrigir os seus erros.

Não sabe como carregar no botão para reiniciar. E, tal como para a maioria das pessoas, não saber o que fazer significa não fazer nada. Encontramo-nos apenas sentados em casa.

Mas ainda não é demasiado tarde com Jesus. Ainda não é demasiado tarde para ter um novo começo. Veja o exemplo do apóstolo Paulo, o assassino-cristão. Se não era demasiado tarde para Paulo, não poderá ser demasiado tarde para nós nos rendermos a Jesus e começar a fazer a diferença. Não é demasiado tarde para deixar de viver acidentalmente e começar a viver com propósito.

Portanto, irmãos, cuidem para que nenhum de vocês tenha coração perverso e incrédulo que os desvie do Deus vivo. Advirtam uns aos outros todos os dias, enquanto ainda é “hoje.” Hebreus 3:12,13 (NVT)

Buscando Hoje


Partilhe uma ou duas coisas que gostaria de ter feito de forma diferente na sua vida. Que carreira teria escolhido? Que oportunidade teria aproveitado? Consegue pensar numa altura em que sentiu que Deus o chamava a fazer algo e ignorou-o? Escreva uma oração perguntando-lhe o que fazer, e como fazê-lo. E Hoje, se ouvirem sua voz, não endureçam o coração.” (Hebreus 3:15, NVT). Escreva o que fará hoje. Dê esse primeiro passo. Faça alguma coisa.

Por tudo isso, sejam fiéis ao Senhor e sirvam-no com sinceridade e lealdade. Afastem-se dos deuses que os vossos pais adoraram na Mesopotâmia e no Egito e adorem o Senhor. Se não querem servir ao Senhor, decidam hoje mesmo a quem desejam servir,… Por minha parte, eu e a minha família serviremos ao Senhor!” – Josué 24:14,15 (OL)

Moisés liderou a nação sem terra de Israel para fora do Egipto, onde a mesma havia sido escravizada por muitas gerações. Deus demonstrou o Seu poder por meio de dez pragas, a separação do Mar Vermelho, a provisão do alimento do céu e a água a partir de uma rocha. Ele até mesmo providenciou-lhes um sistema GPS sobrenatural ao guiá-los por meio de uma nuvem durante o dia e o pilar de fogo durante a noite.

Mas ainda assim, o povo não tinha muita fé. Constantemente lamuriavam e murmuravam. O que seria uma caminhada de um mês apenas, transformou-se em uma viagem para acampar que durou quatro décadas. Moisés e toda a geração que saiu do Egipto não chegou se quer de entrar na terra que Deus havia prometido a Abraão ha centena de anos. Josué substituiu Moisés na liderança do povo de Deus e conduziu-os até a Terra Prometida.

Mas antes que tomassem posse da nova terra, tinham de resolver um problema. Josué, ja em idade avançada, reúne o povo de Israel para um discurso de despedida. Acho interessante o facto de que ele não exige ou obriga o povo a seguir Deus. Na verdade, dá-lhes três opções incluindo o único Deus verdadeiro na lista. “Decidam hoje mesmo“, diz ele, “a quem desejam servir“. Perceba a suposição subentendida: fareis uma escolha. Todos nós somos adoradores – assim fomos projectados. A questão nunca é: Sou eu um adorador? Mas, sempre é, Quem ou o que estou a adorar?

E não se engane: acabará por servir o deus/Deus que escolher. Muitas vezes de forma deliberada, por vezes com o devido respeito, e talvez até com arrependimento. O servo sempre está sob o domínio do mestre.

  • Escolhe os deuses antigos que os seus pais e avos escolheram, e ver-se-á a si mesmo em determinado momento inclinando-se devido a pressão da expectativa dos familiares que nunca conseguira satisfazer.
  • Escolhe os deuses que descobriu na universidade ou por si mesmo, e ao despertar perceberá que tornou-se escravo de carreiras que nunca realmente o satisfazem.
  • Escolhe os deuses locais (prazer sexual, entretenimento, sucesso) e descobrirá que está tão derrotado tal como as gerações daqueles que serviram-nos antes de si.

Ou, então, pode fazer a escolha que Josué fez: “Por minha parte, eu e a minha família serviremos ao Senhor.” É uma escolha que oferece vida real e consequência eterna. O que escolherá?

Buscando Hoje

As nossas escolhas são um forte indício de que deuses estamos a adorar. Avalie as escolhas que faz: o que faz para viver, como gere o seu dinheiro, o que vê na TV, com quem faz amizades, páginas da Internet que visita, o que veste, o que come, até mesmo o que escolhe pensar. Considere as coisas que fará ou decidir esta semana. O que as suas escolhas revelam sobre quem ou o que está a servir?

Tudo começou com uma decisão uma seguir. Uma resposta honesta para o convite de Jesus em segui-Lo. Para conhecê-Lo e completamente ser conhecido por Ele.

Mas não poderá segui-Lo a menos que esteja disposto(a) a deixar para trás algumas coisas. “Se alguém quiser ser meu seguidor tem de esquecer-se de si próprio,” disse Jesus (Mateus 16:24, OL).

Agora, nesse momento da nossa jornada juntos, nos focaremos em buscando Jesus. Uma busca é uma actividade que possuí um alvo específico, os últimos passos. A mesma carrega consigo a ideia de viver com propósito. Demonstramos o nosso compromisso com Cristo oferecendo as nossas vidas para a sua missão. Passamos a ver as pessoas como Ele os viu e a amá-los com o seu amor. Vivemos com base nos princípios e nas prioridades do Reino. Nos engajamos em relacionamentos significativos e fazemos uma diferença nas nossas comunidades. Respondemos às necessidades dos outros e servimo-los não por ser um dever civil ou uma obrigação social, mas porque esta é a forma como Jesus viveu.

Lembre-se disso: “Esta é a maneira de constatarmos que estamos nele: viver como ele viveu” (1 João 2:6, BPT).

E é esta a medida: o maior amor é mostrado quando alguém dá a vida pelos seus amigos. João 15:13 (OL)

Com certeza, ocasionalmente, ja ouviu falar deles: heróis que, na vida real, sacrificam-se a si mesmos pelos outros. Eles pagam o último preço ao renunciarem a sua própria vida. Um soldado no campo de batalha. Um bombeiro correndo para dentro de um edifício em chamas. Um transeunte que mostra-se preocupado e coloca-se no lugar de perigo no lugar de outrem. Essas estórias tornam-se legendas. Monumentos são erguidos com um sentimento de conquista. É o tipo de matéria do qual a grandeza é feita.

Conhecemos e nos lembramos dos nomes de alguns; outros morreram no anonimato. Mas, ainda assim, de igual modo, todos são heróis. 

Hebreus 11 é conhecido como o “capítulo da fé” na Bíblia. A mesma possui uma lista de grandes heróis do Antigo Testamento como Noé, Abraão, Isaac. Lemos sobre José e Moisés. Vemos nomes conhecidos como Gideão, Sansão, e o poderoso rei David.

E a seguir lemos sobre outros. Pessoas desconhecidas cujos nomes poderemos nunca descobrir, mas ainda assim são heróis. Lemos que Outros foram torturados, preferindo morrer a ficarem livres, porque esperavam, pela ressurreição, alcançar uma vida melhor. Outros foram ridicularizados, açoitados, acorrentados em prisões. Alguns morreram apedrejados, serrados ao meio; outros foram tentados a renegar a sua fé, acabando por ser mortos à espada. Houve os que andaram vagueando pelos desertos e pelas montanhas, vestidos de peles de ovelha e de cabra, escondendo-se em covas e em cavernas, sem amparo, perseguidos e maltratados.” (Hb 11:35-37, OL). E logo a seguir lemos esse pequeno elogio: O mundo não era digno deles. (v. 38).

Não faço ideia de tudo quanto Jesus há-de requerer de si a medida que O segue. Muito menos que consequências do negar-se a si mesmo poderá ter durante a sua vida. Com certeza, haverá ausência de diversão. Não ser reconhecido ou ser aplaudido, É muito provável que não será reconhecido ou aplaudido. Rejeitar os deuses da cobiça e poder? Com certeza. Abdicação da própria vida? Talvez, não sei. Mas sei disso: se a sua vida chegar até esse ponto, o seu sacrifício não será em vão. E quando Jesus voltar, será contado entre aqueles que venceram o acusador, aqueles que “puseram de lado o amor às suas próprias vidas a ponto de morrerem.” (veja Ap 12:10,11). E o próprio Jesus o aplaudirá; Bom trabalho.

Negando Hoje

Não precisa ler várias manchetes para aperceber-se  que Cristãos em várias partes do mundo têm sofrido perseguição por causa da sua fé. Ore pelos nossos irmãos e irmãs perseguidos. Ore para que eles notem a presença de Deus e sintam-se conectados com o grande corpo de Cristo. Ore pela intrepidez em fazer Cristo conhecido. Ore para que perdoem e amem os seus perseguidores. Ore para que eles encontrem refrigério por meio da Palavra de Deus e cresçam na fé durante o sofrimento. Ore para que eles sejam fortalecidos pelas orações de outros Cristãos. E que experimentem o conforto de Deus quando membros das suas famílias são mortos, torturados ou aprisionados por causa do seu testemunho. (Visite a página da A Voz dos Mártires, https://www.vozdosmartires.com/, e/ou da Portas Abertas, https://www.portasabertas.org.br/, para mais informações sobre a igreja perseguida.)

Uma Oração de Negação

Senhor, percebo que tornando-se como Jesusm requer que eu perca mais de mim, e eventualmente tudo de mim pois só assim poderei descobrir a vida real que o Senhor tem para mim. Sei que renunciar-me a mim mesmo e viver para Ti é tão bom, porém difícil. Sinto-me confortável em mim mesmo. Sou egoísta e desejo o que quero; sou exigente e facilmente ajo de acordo aos meus direitos. Vezes há que aparento ser alguém que se entrega totalmente quando, na verdade, é apenas uma pretensão. O meu dia gira a volta dos meus desejos, mas finjo o contrário fazendo parecer que neguei-me a mim mesmo. Não sou confortável em ceder a negação.

No entanto, honestamente, sei que é o melhor e por isso tenho grandes esperanças em negar-me a mim com essa oração. Preciso de Ti. Poderia ajudar-me a desfazer-se do meu egoísmo? Poderia ajudar-me a reajustar as minhas motivações mais profundas? Poderia encher-me com o Seu poder para ser capaz de dizer sim e não para as coisas certas? Sei por meio da Sua Palavra que eu posso negar-me a mim mesmo pois o Seu Espírito Santo vive em mim. Ele é poderoso. Eu creio em Ti por isso digo sim em seguir Jesus e, mais digo sim em negar-me a mim mesmo.

Senhor, que os meus direitos, desejos, conforto, minhas exigências, e o meu egocentrismo tornem-se cada vez menos e que eventualmente eu desapareça completamente em Ti. Amém.

“Na minha opinião tudo é ilusão, pura ilusão; tudo é passageiro.” . . . Tudo é extremamente fastidioso e cansativo. Podemos ter visto e ouvido já muita coisa, mas nunca estaremos satisfeitos. A história não passa de uma mera repetição de factos. Não há nada que seja verdadeiramente novo; já tudo foi feito ou dito anteriormente. . . .

Descobri que a sorte do ser humano, aquilo que ele faz debaixo do Sol é tudo ilusão. É como andar a correr atrás do vento.-Eclesiastes 1: 2, 8-9, 14 (OL)

Já alguma vez pensou por que tanta gente anda aborrecida actualmente nessa era de maravilhas tecnológicas com aproximadamente 200 canais de TV disponíveis?* O escritor de ciência, Winifred Gallagher acredita que o aborrecimento é um problema recente inexistente em muitas outras culturas. Ela descreve um antropologista Ocidental que estudou os Boximanes da Namibia durante vários anos tornando-se fluente na língua desse grupo étnico. Durante os seus estudos, ele tentou achar uma palavra equivalente para “aborrecido” na língua deles, mas não encontrou uma conexão; eles não percebem tal conceito. A palavra mais próxima possível ao conceito é cansado. A nossa palavra aborrecido, não havia aparecido no Inglês até a Revolução Industrial – período em que o entretenimento actual começou a ser desenvolvido.


Provavelmente, nem o sábio Rei Salomão teria tido uma palavra para aborrecido, mas o descreveu tão bem com palavras tais como ilusão e vaidade – “uma corrida atrás do vento.” Vá para fora e durante 3 minutos persiga o vento. Vá em frente! Já está de volta? Então, como foi? O que tem para mostrar?


Salomão fez uma busca incansável pelo prazer e entretenimento. Ele privou-se de nada. Divertiu-se com comédia e risadas, festas e projectos. E no final de tudo, a sua conclusão foi de que tudo era ilusão. Parece estar a dizer, “simplesmente cansa-me.”


O escritor Cristão A. W. Tozer observou que quanto mais vibrante é a nossa vida interior, menos necessitamos do exterior — ou seja, quanto mais ativo somos na mente e no espírito, menos necessitamos voltar-nos aos meios externos e outros meios de consumo. O apóstolo Paulo coloca-o desse jeito:“se ofereçam a ele como ofertas vivas, santas e agradáveis. É este o verdadeiro culto que lhe devem prestar. Não vivam de acordo com as normas deste mundo, mas transformem-se, adquirindo uma nova mentalidade.” (Romanos 12:1-2 BPT). Nós fomos criados para Deus, e até que Ele seja o nosso maior prazer, todos os outros prazeres desta vida nos levarão para um vazio.

Negando Hoje
Pense a respeito dessas questões reveladores: O que considera como meios favoritos para diversão? Onde e quando exibiu a sua maior paixão e entusiasmo? Que tipos de meios de diversão considera mais viciantes? Decida agora que a próxima vez que sentir-se aborrecido(a), ao invés de voltar-se a TV ou pegar no seu smartphone ou tablet, fará algo para renovar a sua mente. (Aqui vai uma dica: a adoração e a Palavra de Deus são bons lugares para começar.)

*O autor refere-se a realidade Americana.