Archive for the ‘Apologetica/Apologetics’ Category

On my research about the Trinity, I found this very instructive article by Nabeel Qureshi, a man whose life God used to teach me His ways. A brother whom I learned to love and respect. The article was originally published at christianity.com. The concept of the Trinity is explained in a simple way. Read this, and other articles on this topic here

Of all the chapters of the Qur’an that we memorized as Muslim children, there was one we recited more frequently than any other. It wasn’t long, only 4 verses, but Muhammad taught that it encapsulated a third of the Quran’s teaching, making it the weightiest chapter of the scripture and a core doctrine of the Islamic faith. It is Surat-al-Ikhlaas, chapter 112, and its second verse contains the message:

“God is not a Father, and He is not a Son.”

So above all doctrine in my Muslim life, the one teaching that was drilled into my head most often was ‘Tawhid’, that God is absolutely one and cannot be Father or Son. By the time I was a teen, my reaction to the Trinity was kneejerk: I saw it as nonsensical, polytheistic blasphemy.

Part of the problem was that no one clarified to me how the Trinity could be a monotheistic doctrine. It sounded to me like people wanted to worship three gods, but still desired the dignity of being monotheists, so they invented a nonsense doctrine called the Trinity in which God could be three and one at the same time.

What made the problem worse was that no one explained what it meant for Jesus to be the Son of God. I, and most of the Muslim world around me, assumed that this implied some kind of biological sonship; physical offspring, as if one day God decided to create another god. In turn, that meant Jesus must be an inferior god, a created one. The Bible seemed to support Jesus’ inferiority to God, since Jesus says in John: “the Father is greater than I.” (John 14:28) Regarding the Bible, I did not find the doctrine of the Trinity anywhere in the Bible, so I concluded it must be blasphemous.

That is why I saw the Trinity as nonsensical, polytheistic blasphemy.

It all changed when I began studying two things more carefully: science and the Bible. Science began to show me that there are things in this world so tiny that we can only view them through microscopes, and yet they are incomprehensibly complex. Though quantum mechanics comes to mind, much more commonplace matters can be similarly befuddling, such as light. Light defies the minds of scientists, being both a particle and a wave, yet this apparent contradiction is demonstrably true.

If the world is so complex that it baffles our minds, what about the One who created the world? The One who created our minds? I now think that if my Creator is so simple that I can understand Him, perhaps I have made Him in my image.

With a less presumptuous attitude, I approached the Bible to see what it actually teaches. Though it does not use the word “Trinity”, the teachings are certainly there. It teaches that there is only one God (Deuteronomy 4:35), but He is somehow plural (Genesis 1:1, Deuteronomy 6:4, John 1:1). God is Father, God is Son, and God is Holy Spirit, and these three persons share the name of Yahweh (Matthew 28:19; Philippians 2:11 cf. Isaiah 45:22-23).

So the Bible teaches that God is one being and three persons. This is not a contradiction, because ‘being’ and ‘person’ are two different things. Your being is that which makes you what you are, your person is that which makes you who you are. For instance, I am one being, a human being, and one person, Nabeel Qureshi. Yahweh is one being, God, with three persons: Father, Son, and Spirit. Complex? Yes. Unique? Yes. Nonsensical? No.

The Sonship of Jesus is not physical, but one of role. This explains how he can be inferior to the Father in one sense, but still be equal to the Father in another. As an illustration, my father is superior to me in terms of role within the family, but he and I are equally human. I am inferior in role, but equal in substance. So is Jesus inferior in role to the Father, but equal in substance, since they are the same Being.

Armed with these definitions and illustrations, I began to see how the Trinity was a viable model for the nature of God. I didn’t believe it, however, until I found good reason to believe the Gospel. I found that when I saw the evidence that Jesus claimed to be God and proved it by rising from the dead, having died for our sins on the cross.

There is so much depth to God that we can never tire of drawing from His well. As we know God more and go deeper in our understanding of His nature, not only will our lives be enriched but so will the lives of others as we more compellingly share Him and His love.
Nabeel Qureshi  was a speaker with Ravi Zacharias International Ministry.  One of his bestseller books is, Seeking Allah, Finding Jesus: A Devout Muslim Encounters Christianity, released from Zondervan. Find more about him on his website,www.NabeelQureshi.com,  on Twitter @NAQureshi, and on Youtube NQMinistries.

 

Advertisements

Honestly, I find it hard to understand how Christian couples in our day and age can risk bringing children into the world without being trained in apologetics as part of the art of parenting.- William L. Craig

We do what we need to do, but we are always relying on God. We know he has more wisdom than we do and more power than we can imagine. So we look to Him, we pray to him, we count on him, we trust him.

A very interesting and must read article by Kyle Idleman read the full text HERE.

Abû Hâmid Muhammad ibn Muhammad al-Ghazâlî ( ou simplesmente Al-Ghazali) foi um Teólogo Muçulmano da Persia, actualmente Irão no sec. XII. cuja preocupação estava voltada a influência da filosofia Grega que negava a criação do universo por Deus, entre os Filósofos Islâmicos do seu tempo. Eles asseguravam que a existência do universo era um facto que deu-se necessariamente sem a participação de Deus e, por tanto, não tinha início algum.
Após um estudo exaustivo dos ensinos destes filósofos, Ghazali escreveu uma crítica devastadora intitulada “A Incoerência dos Filósofos”. No seu tão fascinante livro, ele defende que a idéia do universo não possuir um início era absurda. O universo deve ter um início e, uma vez que nada existe sem causa deve haver um Criador transcendente do universo.
Ghazali apresenta o seu argumento do seguinte modo: “Todo o ser que possui um ponto inicial tem uma causa para o seu início; o mundo é um ser com ponto inicial; por isso, possui uma causa para o seu início. ”[2]
O raciocínio de Ghazali pode ser resumido em três pontos:
  1. Tudo quanto começou a existir tem uma causa.
  2. O universo começou a existir.
  3. Portanto, o universo tem uma causa.
Seguindo a lógica do argumento, se as duas premissas são verdadeiras então, a conclusão é necessariamente verdadeira. Consequentemente, qualquer que queira negar a conclusão terá de considerar ou a premissa 1 ou a premissa 2 como falsa. Portanto, a questão que surge disto é:
É mais provável que estas declarações sejam verdadeiras ou que sejam falsas?
Qual é a sua opinião? Que tal deixar um comentário?
[1] William Lane Craig, Em Guarda, Ed. Vida Nova, 2011.
[2] Al-Ghazali Kitab al-Iqtisad fi’l-I’tiqad, citado em S. Beaurecueil, “Gazzali et S. Thomas d’Aquin: Essai sur la preuve de l’existance de Dieu proposé dans l’Iqtisad et sa comparaison avec les ‘voies’ Thomiste,” Bulletin de l’Institut Francais d’Archaeologie Orientale, 46, p. 203, 1947.
 
Obs: Se quiser ler e aprender mais sobre como expor e defender a razão da sua fé, consulte os blogs Fé Racional, https://williamlanecraig.wordpress.com;

THINKAPOLOGETICS.COM

One book in the New Testament that plays as indispensable role in evaluating the resurrection of Jesus is the book of Acts. It is within Acts that we see the resurrection was part of the early apostolic preaching and the evidence given that Christianity is true (Acts 2:25-32; 3: 15; 10:39-41; 17:2-3, 18, 31). It is also within Acts that records Paul’s testimony to the resurrection of Jesus (Acts 9:1-9; 22: 1-11; 26: 9-19). So given the importance of Acts, here are some resources on the historical reliability of Acts. Keep in mind, we must also establish what we mean by ‘historical.’ That is discussed in Mike Licona’s article here. 

First of all, here is a video from Craig Keener who has released a four volume set of commentaries on Acts. 

Second, here is a pdf from Apologetics 315 called: The Historical Reliability of Acts: Support from Extra-Biblical Primary Sources

View original post 1,952 more words

Hoje, celebra-se o Dia da Reforma. Que tal uma leitura das 95 Teses do Rev. Frei Martinho Lutero? A primeira evidência pública para o nascimento da Reforma Protestante. Desejo-lhe uma boa leitura.    El Predicador

Com um desejo ardente de trazer a verdade à luz, as seguintes teses serão defendidas em Wittenberg sob a presidência do Rev. Frei Martinho Lutero, Mestre de Artes, Mestre de Sagrada Teologia e Professor oficial da mesma. Ele, portanto, pede que todos os que não puderem estar presentes e disputar com ele verbalmente, façam-no por escrito.

Em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Amém.

  1. Ao dizer: “Fazei penitência”, etc. [Mt 4.17], o nosso Senhor e Mestre Jesus Cristo quis que toda a vida dos fiéis fosse penitência.
  2. Esta penitência não pode ser entendida como penitência sacramental (isto é, da confissão e satisfação celebrada pelo ministério dos sacerdotes).
  3. No entanto, ela não se refere apenas a uma penitência interior; sim, a penitência interior seria nula se, externamente, não produzisse toda sorte de mortificação da carne.
  4. Por consequência, a pena perdura enquanto persiste o ódio de si mesmo (isto é a verdadeira penitência interior), ou seja, até a entrada do reino dos céus.
  5. O papa não quer nem pode dispensar de quaisquer penas senão daquelas que impôs por decisão própria ou dos cânones.
  6. O papa não tem o poder de perdoar culpa a não ser declarando ou confirmando que ela foi perdoada por Deus; ou, certamente, perdoados os casos que lhe são reservados. Se ele deixasse de observar essas limitações, a culpa permaneceria.
  7. Deus não perdoa a culpa de qualquer pessoa sem, ao mesmo tempo, sujeitá-la, em tudo humilhada, ao sacerdote, seu vigário.
  8. Os cânones penitenciais são impostos apenas aos vivos; segundo os mesmos cânones, nada deve ser imposto aos moribundos.
  9. Por isso, o Espírito Santo nos beneficia através do papa quando este, em seus decretos, sempre exclui a circunstância da morte e da necessidade.
  10. Agem mal e sem conhecimento de causa aqueles sacerdotes que reservam aos moribundos penitências canônicas para o purgatório.
  11. Essa cizânia de transformar a pena canônica em pena do purgatório parece ter sido semeada enquanto os bispos certamente dormiam.
  12. Antigamente se impunham as penas canônicas não depois, mas antes da absolvição, como verificação da verdadeira contrição.
  13. Através da morte, os moribundos pagam tudo e já estão mortos para as leis canônicas, tendo, por direito, isenção das mesmas.
  14. Saúde ou amor imperfeito no moribundo necessariamente traz consigo grande temor, e tanto mais quanto menor for o amor.
  15. Este temor e horror por si sós já bastam (para não falar de outras coisas) para produzir a pena do purgatório, uma vez que estão próximos do horror do desespero.
  16. Inferno, purgatório e céu parecem diferir da mesma forma que o desespero, o semi-desespero e a segurança.
  17. Parece necessário, para as almas no purgatório, que o horror devesse diminuir à medida que o amor crescesse.
  18. Parece não ter sido provado, nem por meio de argumentos racionais nem da Escritura, que elas se encontrem fora do estado de mérito ou de crescimento no amor.
  19. Também parece não ter sido provado que as almas no purgatório estejam certas de sua bem-aventurança, ao menos não todas, mesmo que nós, de nossa parte, tenhamos plena certeza disso.
  20. Portanto, por remissão plena de todas as penas, o papa não entende simplesmente todas, mas somente aquelas que ele mesmo impôs.
  21. Erram, portanto, os pregadores de indulgências que afirmam que a pessoa é absolvida de toda pena e salva pelas indulgências do papa.
  22. Com efeito, ele não dispensa as almas no purgatório de uma única pena que, segundo os cânones, elas deveriam ter pago nesta vida.
  23. Se é que se pode dar algum perdão de todas as penas a alguém, ele, certamente, só é dado aos mais perfeitos, isto é, pouquíssimos.
  24. Por isso, a maior parte do povo está sendo necessariamente ludibriada por essa magnífica e indistinta promessa de absolvição da pena.
  25. O mesmo poder que o papa tem sobre o purgatório de modo geral, qualquer bispo e cura tem em sua diocese e paróquia em particular.  Continua aqui.                                                                           Fonte:

[1] Wikipedia

[2] Antonio Gasparetto Junior

[3] History

[4] Christianity.com

You contribute nothing to your salvation, but the sin that made it necessary. – Jonathan Edwards

This’s an interesting letter sent to Dr. Craig not only because it came from an atheist who hates to be an atheist, and at the same time finds difficult to be a Christian, but it can be a letter whose content is also a typical struggle for some church goers too. Check it out:  “You’ve Ruined My Life, Professor Craig!!” | Reasonable Faith.


Por John Stott

1.
Prat_09_12_14_Capa_PEBO propósito da Bíblia não é científico. Isso não significa que o ensino da Escritura e o da ciência estejam de alguma forma em conflito um com o outro, pois ao mantermos cada um em sua própria esfera e discernirmos o que cada um está afirmando, eles não estão em conflito. De fato, se o Deus da verdade é autor de ambas, não poderiam estar. Também não quer dizer que as duas esferas nunca se sobreponham e que nada que a Bíblia diga tenha qualquer relevância científica, pois a Bíblia contém proposições que podem ser (e em muitos casos têm sido) comprovadas cientificamente. Por exemplo, nela está registrada uma série de fatos históricos, como Nabucodonosor, rei de Babilônia, ter cercado, ocupado e quase destruído Jerusalém e Jesus de Nazaré ter nascido quando Augusto era o imperador de Roma. O que estou afirmando é que, embora possa conter dados científicos, o propósito da Bíblia não é científico.

A ciência (pelo menos a ciência natural) é um corpo de conhecimento laboriosamente adquirido pela observação, experimentação e indução. O propósito de Deus na Escritura, entretanto, foi revelar verdades que não podem ser descobertas por esse método (chamado pelos cientistas de método empírico), coisas que teriam permanecido desconhecidas e encobertas se ele não as tivesse revelado. Por exemplo, a ciência pode ser capaz de dizer alguma coisa sobre nossa origem material (embora até mesmo essa permaneça uma questão aberta); apenas a Bíblia revela nossa natureza, tanto nossa nobreza única na qualidade de criaturas feitas à imagem do Criador quanto nosso estado de degradação como pecadores egoístas revoltados contra nosso Criador.

2.
O propósito da Bíblia não é literário. Há alguns anos foi publicado um livro intitulado The Bible Designed to be Read as Literature. É uma edição primorosa. A disposição tradicional em versículos foi abandonada, e a diagramação indicava claramente o que era poesia e o que era prosa. Tudo isso ajuda. Além disso, ninguém, quaisquer que sejam suas crenças ou descrenças, pode negar que a Bíblia contém de fato literatura admirável. Ela fala sobre os grandes temas da vida e do destino humanos e os trata com simplicidade, discernimento e imaginação. Sua tradução do original foi tão boa que em alguns países, como Inglaterra e Alemanha, a Bíblia tornou-se parte da herança literária nacional. No entanto, Deus não planejou a Bíblia como literatura grandiosa. Ela contém fraquezas estilísticas gritantes.

O Novo Testamento foi em grande parte escrito em grego koiné, a linguagem cotidiana do mercado e do trabalho, e muito dele carece de refinamento literário, até mesmo exatidão gramatical. O propósito da Bíblia está em sua mensagem, não em seu estilo.

3.
O propósito da Bíblia não é filosófico. É evidente que a Escritura contém sabedoria profunda – na verdade, a sabedoria de Deus. Todavia, alguns dos grandes temas que os filósofos têm enfrentado não recebem um tratamento exaustivo na Escritura. Vejamos, por exemplo, o grande problema do sofrimento e do mal. Como fenômenos da experiência humana, são figuras proeminentes na Bíblia. Em quase todas as páginas homens e mulheres pecam, homens e mulheres sofrem. Alguma luz é lançada – de forma suprema na cruz – sobre ambas as questões. Mas nenhuma explicação definitiva é oferecida para qualquer um dos dois, tampouco os caminhos de Deus são justificados em relação a eles, em termos aceitáveis pela filosofia humana. Até mesmo no Livro de Jó, que se concentra no problema do sofrimento, Jó por fim humilha-se diante de Deus sem chegar à compreensão da providência divina. Creio que o motivo é o fato de a Bíblia ser simplesmente um livro mais prático do que teórico. Está mais interessada em nos dizer como suportar o sofrimento e vencer o mal do que em filosofar sobre sua origem e propósito.

A Bíblia não é, portanto, basicamente um livro de ciência, nem de literatura, nem de filosofia, mas de salvação.

Com isso, devemos atribuir à palavra salvação o sentido mais amplo possível. A salvação é muito mais do que meramente o perdão dos pecados. Ela inclui o amplo alcance do propósito de Deus de redimir e recuperar a humanidade e, de fato, toda a criação. O que sustentamos a respeito da Bíblia é que ela revela o plano integral de Deus.

Ela começa com a criação, para que possamos saber sobre a semelhança divina em que fomos feitos, as obrigações que repudiamos e as alturas de que caímos. Não somos capazes de entender nem aquilo que somos no pecado nem aquilo que pela graça podemos chegar a ser até que saibamos o que fomos pela criação.

**

Talvez nenhuma outra palavra bíblica tenha sofrido tanto a partir do mau uso e da compreensão equivocada do que é salvação. Alguns de nós, cristãos, somos culpados pela caricatura que se tem apresentado dela ao mundo. Consequentemente, a palavra salvação tem sido para muitos fonte de vergonha ou até mesmo alvo de ridículo. Devemos resgatá-la desse conceito tacanho com o qual a palavra tem sido com frequência degradada. Pois salvação é uma palavra grande e nobre. Salvação é liberdade. Sim, e também renovação; em última instância, a renovação do universo inteiro.

 

Nota: este artigo é um trecho do lançamento da Ultimato: Para Entender a Bíblia, de John Stott. Foi extraído da página da Ultimato Jovem: http://ultimato.com.br/sites/jovem/2014/12/10/o-que-a-biblia-nao-e/?__akacao=2207066&__akcnt=49530be6&__akvkey=c3ee&utm_source=akna&utm_
medium=email&utm_campaign=Ultimato+Jovem+%2376.