“Então reconhecerás que eu sou o SENHOR e que não ficarão envergonhados os que confiam em mim.” Isaías 49:23 (BPT)

Alguns anos atrás estava com a minha família numa estância de férias no Tennessee. Por generosidade, o meu pai pagou todas as despesas para que os seus três filhos adultos e respectivos(as) parceiros(as) pudessem passar a semana juntos. Portanto, os meus pais estavam connosco, bem como os esposos das minhas irmãs. Numa tarde de sol, os meus cunhados e eu decidimos alugar algumas bicicletas e sair para um passeio. Alugamos as bicicletas da sede do clube e pomo-nos à estrada.

Dois detalhes importantes: (1) Na altura, os três estávamos a volta dos vinte anos de idade logo, ainda tínhamos muita energia por usar. E (2) os três somos por natureza competitivos, então não planeávamos ter um passeio lento apenas para recreação.

Estávamos descendo a primeira colina – não que seja importante frisar, eu estava na dianteira – e preparando-me para começar uma curva estreita à esquerda. Apertei o guiador a fim de diminuir a velocidade e de repente me apercebi de algo que não tinha reparado ate aquele instante: as bicicletas não tinham travão de mão. Diante disso, tive de decidir rapidamente entre fazer alguns esforços para que a bicicleta freasse entre as árvores e não ir além, e ou desmontar-me dela o mais rápido possível. Sim, poderia usar o pedal de travão, mas no momento não pensei nisso. Decidi arriscar livrando-me da bicicleta que acabou embatendo nas árvores e eu caí no asfalto. Até hoje consigo visualizar a reação dos meus cunhados vindo por trás: limitaram-se em grandes risadas sem ao menos importar-se em saber se estava tudo bem comigo.

Certamente, também já teve quedas. Esperava ter uma navegação tranquila, mas uma tempestade acabou por estragar tudo. Treinou duramente para não embater as barricadas, mas aconteceu o contrário. Tentou pisar o travão, mas acabou acelerando, e consequentemente, resultou em desastre. Perseguia os seus sonhos, mas no fim acabou por descobrir que não passavam de ilusões. Foi despedido do emprego. Recebeu a papelada para o divórcio. Reprovou na faculdade. Está cheio de dívidas.

Quedas, falhas, decepções,…, não são apenas circunstanciais, mas também relacionais. Buscou ajuda, encontrou pessoas que apenas apontam os erros. Ao invés de empatia ou graça por parte dos que estão a sua volta, foi ridicularizado e julgado. A sua confiança foi retribuída com traição; à sua bondade devolvida em insultos.

Mas Deus pode redimir a nossa falha. Ele pode livrar-nos quando caímos. Aqueles que nele esperam jamais serão decepcionados. Aqueles que voltam-se para ele encontram graça e misericórdia quando mais necessitam (veja Hebreus 4:16). Quando estamos em baixo, ele levanta-nos com a sua mão poderosa (1 Pedro 5:6). Quando caímos, ao invés de repreender-nos ele prova o quanto é poderoso para salvar (Sofonias 3:17)

Seguindo Hoje

Foi decepcionado recentemente?

Ainda há tempo para permitir que as falhas pessoais ou decepções o direccionem para Deus.

Escreva uma oração – um tipo de salmo pessoal – expressando a sua confianca nele para transformer a sua derrota em esperanca.

Tenha esperança, que ele virá socorrê-lo.

Comments are closed.