“Jesus afirmou: “Eu sou esse pão que dá vida. Aquele que me aceita nunca mais há-de ter fome e o que acredita em mim nunca mais há-de ter sede. ” João 6:35 (BPT)

Às vezes grandes momentos podem gerar grandes problemas.

  • O autor esquece as palavras no momento principal da cena.
  • O cantor que camufladamente usa uma outra palavra por ter esquecido a letra da sua canção.
  • O jogador da NBA que surpreendentemente falha o lançamento livre no momento decisivo do jogo.
  •  A noiva não para de dar risadas durante toda a cerimónia, ou chorar, ou simplesmente uma estranha combinação de ambos. (Felizmente, a minha esposa fez nenhum dos dois.)
  • O pregador chama o noivo pelo nome errado. (Eu já fiz ou não fiz isso…duas vezes.)

Talvez tenha testemunhado um desses cenários, ou talvez já tenha acontecido consigo.

Eu estava para ter um grande problema num grande momento há vários anos. Era uma quinta-feira a tarde, e estava indeciso sobre que  sermão deveria pregar no domingo de Páscoa. Mais de trinta mil pessoas, provavelmente, iriam atender aos cultos do final de semana, e a pressão apertava cada vez mais. Finalmente, o seguinte pensamento cruzou a minha mente: o que Jesus pregou cada vez que teve uma multidão a sua volta. Seria interessante saber como ele controlava os grandes momentos.

João 6 relata-nos sobre uma dessas ocasiões. Com o saco de lanche de um menino que continha cinco pãezinhos e dois peixinhos, Jesus alimenta uma multidão que parece estar acima de cinco mil. Ele nunca foi tão popular antes. Depois do jantar o povo decide passar a noite ao relento para que esteja perto de Jesus no dia seguinte. Mas pela manhã, a multidão faminta procura por Jesus, também conhecido como o recibo para a refeição, mas não o encontra em lugar algum. Morrendo de fome, a multidão anseia por uma performance como a do dia anterior, mas Jesus decide trancar o buffet tudo-que-você-pode-comer . Em João 6:26 Jesus respondeu-lhes: ”Em verdade vos digo que me procuram porque comeram até ficarem satisfeitos, e não por compreenderem o significado dos meus sinais.”

Então Jesus oferece-se a si mesmo para a multidão faminta. A questão é, seria aquilo suficiente?  Jesus disse, “Eu sou esse pão que dá vida.” De repente Jesus é o único item no menu. A multidão deve decidir se pode saciar ou se eles têm fome de algo mais. Eis o que lemos quase no final do capítulo: “Desde aí muitos dos seus discípulos abandonaram-no e deixaram de andar com ele.” (João 6:66).

Como pode ver, o interesse de Jesus não era o tamanho da multidão mas o seu comprometimento.

Seguindo Hoje

Nas suas orações, o quê normalmente pede para Jesus? Pense num momento em que ele não o respondeu tal como esperava que fosse. Como isso afectou os seus sentimentos pela pessoa de Jesus? Leia o resto da história em João 6. Pensa em algum tempo no qual parecia que Jesus fosse tudo que você tinha. De que forma ele supriu as suas necessidades durante esse tempo?

Comments are closed.