As Tentações Dele e as Nossas

Posted: September 18, 2016 in Meditações de Oswald Chambers...
Tags: , , ,

18 De Setembro 
“Porque não temos sumo-sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas, antes foi ele tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado”, Heb.4.15

Enquanto não nascermos de novo, o único tipo de tentação que compreenderemos é aquele que Tiago descreve: “Cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz”, Tiago1:4. Mas, pela regeneração, somos elevados a um outro plano de vivência onde enfrentamos outro tipo de tentações – do tipo que nosso Senhor enfrentou. As tentações de Jesus não seduzem a pessoa não regenerada, pois, não encontram ressonância no interior daquela natureza humana por regenerar. As tentações que ele sofreu pertencem a uma esfera distinta daquela que enquadra nossa situação antes de havermos nascido de novo e de nos havermos tornado irmãos dele. As tentações de Jesus nunca serão as de homem, mas, antes as tentações dirigidas ao Deus que foi feito Homem. Através da regeneração, o Filho de Deus é formado dentro nós e, em nossa vida física, ele encontra o mesmo ambiente que encontrou na terra quando andou por cá. Satanás tenta, não para que façamos coisas erradas e antes para que percamos aquilo que Deus nos concedeu regenerando-nos – isto é, a possibilidade de sermos usados por ele exclusivamente. Ele não usa a estratégia de nos tentar para pecarmos somente e sim de alterar nosso ponto de vista sobre o que Deus faz em nós exclusivamente. E é só o Espírito de Deus que é capaz de perceber que se trata de uma tentação do diabo sobre nós.

A tentação é um teste que um poder hostil coloca às aptidões de uma personalidade individual. Assim, a tentação do Senhor torna-se sempre explicável para a natureza humana. Depois que Jesus aceitou a incumbência de tirar o pecado do mundo em seu baptismo na Sua morte peculiar e já existente, ele foi imediatamente submetido pelo Espírito de Deus à bateria dos testes do diabo, mas, não esmoreceu com eles; passou incólume pela tentação (“sem pecado”) e conservou intactos os atributos de sua personalidade divinal.

REAVIVAMENTOS

(www.reavivamentos.com)

“…Olhos para o cego e pés para o coxo… pai para o orfão e a causa que desconhecia, investiguei…” Jó 29:15,16

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s