17 De Setembro
Não vos sobreveio tentação que não fosse humana“, 1 Cor.10.13.

O verdadeiro significado da palavra “tentação” tem sido muito depreciativo; tendemos a usá-la mal como expressão racional. Tentação não é pecado; é algo que, sem dúvida, teremos que enfrentar, se formos humanos. Muitos de nós, todavia, passamos por tentações pelas quais não deveríamos estar a passar simplesmente porque nos recusamos a deixar que Deus nos eleve a um plano acima, onde enfrentaríamos tentações de outra ordem natural.

A disposição interior de cada pessoa, ou seja, aquilo de que é constituída sua personalidade integral, determinará sempre o que o irá tentar do lado exterior. A tentação vem de acordo com a natureza de cada pessoa e tem o poder de manifestar as capacidades e a existência dessa mesma natureza dentro de nós todos. Cada pessoa tem a sua própria constituição e será tentada de acordo com a disposição que a governa e rege pelo lado de dentro.

A tentação é uma sugestão para entrarmos num outro atalho para alcançarmos o objectivo supremo e distinto da tentação – não na direcção que possamos considerar errada, mas, numa que consideraremos boa pela intervenção de Deus. Será sempre algo que, provavelmente e por algum tempo, nos confunde totalmente, porque não sabemos se se trata de algo supostamente certo ou errado. Ceder à tentação é deificar a lascívia; é prova de que foi apenas por causa da timidez que fomos impedidos de pecar anteriormente.

Não nos podemos dar ao luxo de nos esquivar da tentação, pois ela é essencial a uma vida espiritual bem desenvolvida em seus parâmetros globais. Cuidemos, contudo, de não pensarmos que as tentações que enfrentamos são diferentes das do resto do mundo que nos rodeia; o que estamos passando é a herança natural da raça humana; são todas aquelas experiências comuns pelas quais todos os homens tiveram de passar duma forma ou de outra. Deus não nos protege das tentações; ele nos socorre entre elas, Heb.2.18;4:15,16.

REAVIVAMENTOS

(www.reavivamentos.com)

“…Olhos para o cego e pés para o coxo… pai para o orfão e a causa que desconhecia, investiguei…” Jó 29:15,16

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s