Archive for August, 2016

31 De Agosto
Para que o meu gozo esteja em vós e o vosso gozo seja completo“, João 15.11

Qual foi o gozo que Jesus sentiu? É um insulto usar a palavra “felicidade” relacionada com Jesus Cristo. O gozo de Jesus era seu auto-sacrifício e sua entrega total ao Pai; “O qual, pelo gozo que lhe está proposto, suportou a cruz”, Heb.12:2. Era o gozo de fazer o que o Pai o enviou a fazer. “Agrada-me fazer a tua vontade”, Sal.40:8. Jesus orava para que nosso gozo pudesse permanecer crescendo até que se tornasse no mesmo gozo que o dele. Estarei permitindo que Jesus Cristo possa começar a fazer-me conhecer o seu gozo assim?

A plenitude de minha vida não me advém da minha saúde física, nem em acontecimentos externos ao meu ser, nem em ver o trabalho de Deus prosperar sobre a terra, mas, antes em ter uma perfeita compreensão de Deus e ter com ele a mesma comunhão que o próprio Jesus usufruiu cá na terra. A primeira coisa que impedirá esse gozo é aquela irritação muito subtil que provém de ficarmos a analisar as situações e as circunstâncias de toda a nossa vida. Os cuidados deste mundo, disse Jesus, sufocarão a Palavra de Deus. Sem o percebermos, ficamos envolvidos pela fascinação das coisas. Tudo o que Deus tem feito por nós é apenas o limiar de todas as coisas; ele quer levar-nos ao ponto de sermos suas testemunhas e proclamarmos a pessoa de Jesus, sendo esta visível em todos nós.

Acerte seu relacionamento com Deus, encontre nisso o seu gozo primordial e do seu interior fluirão rios de água viva com toda a certeza. Seja um vaso através do qual Jesus derrama essa mesma água viva. Deixe de se preocupar consigo próprio, pare de ser um pedante farisaico e torne viva toda aquela vida oculta em Cristo Jesus. A vida daquele que acertou seu relacionamento com Deus é tão natural quanto lhe é respirar, onde quer que ele vá. As pessoas que transmitiram mais bênçãos à sua vida foram as que não tiveram consciência de o haverem feito.

REAVIVAMENTOS

(www.reavivamentos.com)

“…Olhos para o cego e pés para o coxo… pai para o orfão e a causa que desconhecia, investiguei…” Jó 29:15,16

Agosto 30

Pero no os regocijéis de que los espíritus se os sujeten, sino regocijaos de que vuestros nombres están escritos en los cielos“, Lucas 10:20

Jesucristo afirma: “No te alegres por el éxito de tu servicio a mí, sino por tu correcta relación conmigo”. Mientras realizas la obra cristiana puedes caer en la trampa de regocijarte por el servicio exitoso, o porque Dios te ha usado. Pero, si tienes una relación correcta con Jesucristo, nunca podrás medir completamente lo que Dios va a hacer por medio de ti. Mantén tu comunión con Él y en cualquier circunstancia que vivas, o con cualquier persona que te encuentres día tras día, Él hará fluir ríos de agua viva a través de ti, Juan 7:38, sin que lo sepas. Es por su misericordia que Él no te permite saberlo. Cuando tienes una relación correcta con Dios por la salvación y la santificación, puedes recordar que, cualquiera que sea el lugar donde te encuentres, estás ahí porque Él te colocó en ese sitio. Mediante tu reacción ante las circunstancias que te rodean cumplirás el propósito de Dios, mientras continúes andando en la luz, como Él está en la luz (ver 1 Juan 1:7).

La tendencia actual es a enfatizar el servicio. Cuídate de las personas que hacen de la utilidad el motivo de su interés. Si la utilidad es el patrón de medida, entonces Jesucristo fue el fracaso más grande que jamás haya  existido. La guía del creyente es Dios mismo y no la utilidad estimada. Lo que vale es la obra que Dios hace por medio de nosotros y no lo que nosotros hacemos para Él. Todo lo que Jesucristo tiene en cuenta en la vida de una persona es su valiosísimo parentesco con el Padre. Jesús está llevando muchos hijos a la gloria (Hebreos 2:10).

AVIVAMIENTOS

(www.avivamientos.net)

“…Ojos era yo para el ciego, y pies para el cojo… y examinaba la causa que no conocía“, Job 29:15,16

30 De Agosto
Não obstante, alegrai-vos, não porque os espíritos se vos submetem e, sim, porque os vossos nomes estão escritos nos céus“, Luc.10.19,20

O que Jesus Cristo está dizendo aqui, na verdade, é o seguinte: “Não se regozije com o sucesso no serviço cristão; regozije-se, isso sim, porque tem o relacionamento certo comigo”. O grande perigo do trabalho evangélico está em nos regozijarmos com o sucesso no serviço, com o facto de Deus nos ter podido usar. Se acertarmos nosso relacionamento com Jesus Cristo, nunca conseguiremos avaliar as dimensões do que Deus fará através de nós. Mantenha um estreito relacionamento com ele e, só então, sejam quais forem as circunstâncias que o cercarem ou as pessoas com quem se encontrar no dia-a-dia, ele fará fluir os tais rios de água viva do seu interior; e é pela misericórdia dele que ele não o deixa ter consciência disso. Uma vez tendo acertado seu relacionamento com Deus pela salvação e santificação que vêm dele, lembre-se de que onde quer que esteja foi Deus quem o colocou ali; e, pela maneira como reagir perante as circunstâncias que o cercam, cumprirá o propósito de Deus, isto é, enquanto se mantiver na luz como ele também está na luz, 1 João 1:7.

A tendência, hoje, é dar ênfase ao serviço. Tenhamos cuidado com pessoas que procuram aprovação com base na sua utilidade pública. Se fizermos da utilidade a base para a nossa aprovação, então Jesus Cristo foi o maior fracasso de todos os tempos. O princípio orientador do evangélico é o próprio Deus, não uma utilidade calculada e angariadora. O que vale realmente é o trabalho que Deus realiza através de nós e não o que nós fazemos por ele. A única coisa que o Senhor considera importante na vida de uma pessoa é o relacionamento com o Pai dele. Jesus ainda está conduzindo muitos filhos à glória, Heb.2:10.

REAVIVAMENTOS

(www.reavivamentos.com)

“…Olhos para o cego e pés para o coxo… pai para o orfão e a causa que desconhecia, investiguei…” Jó 29:15,16

Agosto 29
Jesús le dijo: ¿No te he dicho que si crees verás la gloria de Dios?“, Juan 11:40

Siempre que seas osado en la vida de fe, hallarás en las circunstancias algo que va a contradecir por completo tu fe, desde un punto de vista racional. Pero el sentido común no es fe y la fe no es sentido común. De hecho, son tan diferentes como la vida natural y la espiritual. ¿Puedes confiar en Jesucristo cuando tu sentido común no puede confiar en Él? ¿Puedes lanzarte heroicamente y confiar en las afirmaciones de Jesucristo cuando los hechos de tu vida, según tu sentido común gritan que todo es una mentira? Cuando estás en la cima es fácil decir: “Oh, sí creo que Dios puede hacerlo”. Pero debes descender al valle del endemoniado y enfrentarte con los hechos que se ríen irónicamente de toda tu “fe del monte de la transfiguración” (ver Lucas 9:28-42). Cada vez que mentalmente comprendo con claridad mi teología, enfrento algo que la contradice. Tan pronto digo: “Creo que Dios suplirá todas mis necesidades”, mi fe se pone a prueba. ¿Perseveraré mientras mi fe es probada, o retrocederé derrotado cuando mi fuerza y mi visión se agotan?

La fe debe ser puesta a prueba debido a que solamente por medio del conflicto se convierte en una posesión personal. ¿Contra qué se enfrenta tu fe en estos momentos? Existen dos posibilidades: la prueba demuestra que tu fe está bien fundamentada o la acabará. Jesús dijo: “Bienaventurado es el que no halle tropiezo en mí“, Mateo 11:6. La virtud esencial es la confianza en Jesús. Cree firmemente en Él y todo lo que se levante en contra, fortalecerá tu fe. Somos probados en la vida de fe hasta el momento de nuestra muerte física, la cual incluso es la última gran prueba. La fe es confianza total en Dios, una confianza que nunca nos permitirá siquiera imaginar que Él nos desamparará.

AVIVAMIENTOS

(www.avivamientos.net)

“…Ojos era yo para el ciego, y pies para el cojo… y examinaba la causa que no conocía“, Job 29:15,16

29 De Agosto
Não te disse eu que se creres verás a glória de Deus?“, João 11.40

Todas as vezes que você se aventurar numa vida de fé exclusiva e abençoada, achará em todas as suas circunstâncias naturais algo que contrariará por completo toda a fé que tem. O bom-senso não é fé e a fé nunca será bom-senso, pois um é natural e a outra é coisa espiritual. Você é capaz de confiar em Jesus Cristo quando o seu bom-senso não o consegue consentir? Será capaz de aventurar-se heroicamente baseado nas afirmações de Jesus Cristo quando os factos de uma vida regida pela lógica gritam: “Isso é mentira”? No alto do monte é fácil dizer: “Oh, sim, eu creio que Deus pode fazer isso”; mas, depois, você terá que descer ao vale onde os demónios actuam para se defrontar com factos dali inerentes, os quais se riem ironicamente de toda a fé que possui e com a qual desceu do monte da sua transfiguração. Todas as vezes que minha filosofia de fé está clara em minha própria mente, encontro algo que a irá contradizer em alguma coisa. Posso dizer que acredito que Deus suprirá todas as minhas necessidades, mas, depois, se eu ficar sem um tostão no meu bolso, sem nenhuma esperança de socorro visível, aí se verá se vencerei a prova de fé ou se voltarei ao nível onde estava antes.

A fé tem que ser testada, porque só então poderá transformar-se num bem essencial e pessoal através do conflito. Contra o que sua fé está lutando neste momento? O teste provará se sua fé tem base certa naquilo que Deus disse, ou então a destruirá. “Bem-aventurado é aquele que não achar em mim motivo para tropeçar”, Mat.11:6. O factor determinante será sempre a nossa confiança em Jesus. “Porque nos temos tornado participantes de Cristo, se é que guardamos firme até o fim a nossa confiança inicial“, Heb.3:14. Creia firmemente nele e tudo aquilo contra o que você tiver que lutar fará desenvolver a sua fé. Na vida de fé há uma sucessão de provas, sendo a última delas a morte. Que Deus nos mantenha em forma para essa luta final! A fé é uma confiança em Deus difícil de ser expressada, uma confiança que nem sonha com a possibilidade de Deus não ficar do nosso lado seja em que circunstancia for, Heb.13:5,6.

 

 

 

REAVIVAMENTOS

(www.reavivamentos.com)

“…Olhos para o cego e pés para o coxo… pai para o orfão e a causa que desconhecia, investiguei…” Jó 29:15,16

Agosto 28
Señor, enséñanos a orar“, Lucas 11:1

La oración no hace parte de la vida del hombre natural. Oímos decir que un hombre va a sufrir si no ora, pero lo pongo en duda. Lo que sufre es la vida del Hijo de Dios en él, la cual no se nutre con comida, sino con la oración. Cuando una persona nace de arriba, en ella nace la vida del Hijo de Dios; pero, puede hacerla morir de hambre o alimentarla. La vida de Dios en nosotros se nutre con la oración. Nuestro concepto común acerca de la oración no se encuentra en el Nuevo Testamento. La consideramos el medio para obtener cosas para nosotros pero el propósito bíblico de la oración es que conozcamos a Dios.

Pedid y recibiréis“, Juan 16:24. Nosotros nos quejamos delante de Dios, nos disculpamos con Él o incluso podemos ser indiferentes, pero, realmente le pedimos muy poco. ¡Piensa en la espléndida audacia con la que pide un niño! Nuestro Señor dijo: “Si no os volvéis y os hacéis como niños“, Mateo 18:3. Pide y Dios hará. Dale a Jesucristo la oportunidad y el espacio para que obre, lo cual ninguna persona permite, sino cuando ya no sabe qué más hacer. En tal caso, orar no es una acción cobarde y, de hecho, es la única manera como podemos ponernos en contacto con la verdad y la realidad de Dios. Sé tu mismo ante Él y preséntale tus problemas, es decir, las circunstancias que te han llevado al límite de tu capacidad. Pero, mientras te sientas autosuficiente no tendrás necesidad de pedirle nada.

Decir que la oración “cambia las cosas”, no es tan cierto como que la oración me cambia a mí y entonces yo cambio las cosas. Dios ha hecho todo de modo que la oración, sobre la base de la redención, cambie la forma como una persona mira las situaciones. La oración no tiene que ver como cambias las cosas externamente, sino con realizar milagros en la naturaleza interior de la persona.

AVIVAMIENTOS

(www.avivamientos.net)

“…Ojos era yo para el ciego, y pies para el cojo… y examinaba la causa que no conocía“, Job 29:15,16

28 De Agosto
Senhor, ensina-nos a orar“, Luc.11.1

Oração não faz parte da vida do homem natural. Ouvimos dizer que, se uma pessoa não orar, a vida dela será prejudicada; eu duvido. O que será prejudicada é a vida do Filho de Deus nela, a qual não é alimentada por comida, mas, antes através da oração. Quando alguém nasce do alto, a vida do Filho de Deus nasce nele também e ele pode ou matar essa vida de fome ou alimentá-la devidamente. A oração é a maneira pela qual alimentamos a vida de Deus nascida em nós. As ideias que geralmente temos sobre oração não foram retiradas do Novo Testamento. Encaramos a oração como um meio de obter benefícios para nós e nada mais; o conceito bíblico sobre a oração é que possamos conhecer a pessoa de Deus como Ele é.

Pedi e dar-se-vos-á“, João 16:24. Resmungamos diante de Deus, apresentamos desculpas, ficamos apáticos, mas, pedimos muito pouco. Uma criança, porém, tem uma audácia admirável! O Senhor diz: “Se não vos tornardes como crianças…“, Mateus 18:3. Peça e só assim Deus fará. Dê a Jesus Cristo uma oportunidade, dê-lhe um pequeno espaço em si. Mas, nenhum de nós faz isso a menos que já não saiba mais o que fazer de si próprio. Quando, porém, alguém chega a um ponto desses, não é nenhuma covardia orar; é o único meio que tem de entrar em contacto directo com a realidade das coisas. Ao chegar-se diante de Deus, seja você mesmo – conforme é; exponha seus problemas, tudo o que o tem deixado desolado e perplexo. Enquanto você for auto-suficiente, não haverá necessidade de pedir coisa alguma ao seu Deus.

A ideia de que “a oração muda as coisas” não é tão verdadeira quanto a de que a oração me muda a mim e eu mudo as coisas. Deus elaborou tudo de tal forma que a oração com base na redenção altera a maneira através da qual encaramos as coisas. A oração não visa a alteração das circunstâncias externas, mas, a operação de verdadeiros e genuínos milagres em nossa própria disposição interior.

REAVIVAMENTOS

(www.reavivamentos.com)

“…Olhos para o cego e pés para o coxo… pai para o orfão e a causa que desconhecia, investiguei…” Jó 29:15,16

Agosto 27
Andad entretanto que tenéis luz, para que no os sorprendan las tinieblas“, Juan 12:35

Vigila que no dejes de actuar de acuerdo con lo que Dios te revela cuando estás con Él en el monte. Si no obedeces la luz, ésta se volverá tinieblas. “Así que, si la luz que hay en ti es tinieblas, ¿cuántas no serán las mismas tinieblas?” Mateo 6:23. Tan pronto renuncias a la santificación o descuidas cualquier otra área acerca de la cual Dios te ha dado su luz, la vida espiritual empieza a desintegrarse en tu interior. Aplica continuamente la verdad a tu vida práctica y ejercítala en todos los aspectos, o de lo contrario la misma luz que tienes será para ti una maldición.

La persona más difícil de formar es la que tiene la orgullosa satisfacción de una experiencia pasada, pero que no la demuestra en su vida diaria actual. Si dices que has sido santificado, demuéstralo. La experiencia debe ser tan genuina que se debe notar en tu vida. Cuídate de cualquier creencia que te lleve a ser indulgente contigo y autocompasivo. Ella proviene del infierno, sin importar cuán hermosa suene.

Tu teología debe ser evidente en las relaciones cotidianas más comunes. Nuestro Señor dijo: “Si vuestra justicia no fuera mayor que la de los escribas y fariseos, no entraréis en el reino de los cielos“, Mateo 5:20. Esto quiere decir que debes ser más moral que la persona más moral que conozcas. Puedes saberlo todo acerca de la doctrina de la santificación, pero, ¿es evidente en tus asuntos cotidianos? Toda tu vida física, moral y espiritual debe ser juzgada y medida con la norma de la expiación mediante la cruz de Cristo.

AVIVAMIENTOS

(www.avivamientos.net)

“…Ojos era yo para el ciego, y pies para el cojo… y examinaba la causa que no conocía“, Job 29:15,16

27 De Agosto
Andai enquanto tendes a luz, para que as trevas não vos apanhem“, João 12:35

Tenha cuidado para não deixar de agir baseado no que você vê dos momentos quando está a sós com Deus no alto do seu “monte”. Se você não obedecer à instrução que recebeu por lá, ela se transformará em trevas diante de si. “Portanto, caso a luz que em ti há sejam trevas, que grandes trevas serão!” Mat.6:23. No instante em que você deixa de lado a questão da santificação ou qualquer outra coisa sobre a qual Deus lhe deu um qualquer esclarecimento específico, a sequidão começará a penetrar em sua vida espiritual oportunamente. Esteja constantemente transformando a verdade em prática; desenvolva-a em todas as áreas de sua vida, senão a luz que há em si transformar-se-á em maldição para todos.

A pessoa de mais difícil aconselhamento é aquela que se mostra satisfeita com uma experiência passada à qual ainda se pode referir, mas, que não está sendo mais aplicada em toda a dimensão de sua vida prática. Se você diz que está santificado, mostre-o na sua vida e não apenas através das suas palavras. A experiência deve ser tão genuína que possa ser demonstrada na prática. Cuidado com qualquer crença que o torne auto-complacente e auto-tolerante; ela procede do inferno, por mais bela que possa parecer aos seus olhos ou aos de outros.

A teologia precisa ser pratica em todos os relacionamentos, até nos mais vulgares. “Se a vossa justiça não exceder em muito a dos escribas e fariseus…” (Mateus 5:20) disse o Senhor, isto é, a sua moral deve ultrapassar à do ser mais moral que você conhece. Você pode saber tudo sobre a doutrina da santificação, mas, será que a está aplicando nas questões práticas em toda a dimensão de sua vida? Cada parcela de sua vida física, moral e espiritual deve ser julgada através daqueles padrões da expiação que Cristo fez.

REAVIVAMENTOS

(www.reavivamentos.com)

“…Olhos para o cego e pés para o coxo… pai para o orfão e a causa que desconhecia, investiguei…” Jó 29:15,16

Agosto 26

La paz os dejo, mi paz os doy“, Juan 14:27

Hay momentos en que nuestra paz se basa en la ignorancia. Pero cuando despertamos a las realidades de la vida, tener la verdadera paz interior es imposible, a menos que la recibamos de Jesús. Cuando nuestro Señor habla de paz, Él la crea, porque sus palabras siempre “son espíritu y son vida“, Juan 6:63. ¿Alguna vez he recibido esta paz de la que Jesús habla? Mi paz os doy: una paz que viene por mirar su rostro y darnos cuenta de su imperturbabilidad.

¿Hay algo en tu vida en este momento de desasosiego y dolor? ¿Estás asustado y confundido por las olas y la turbulencia que en su soberanía Dios ha permitido que vivas? ¿Has volteado todas las grandes rocas de tu fe, en busca de un pozo de paz, gozo o consuelo, pero no lo has encontrado? ¿Tu vida te parece completamente árida? Entonces, levanta la vista y recibe el tranquilo contentamiento del Señor Jesús. Reflejar su paz demuestra que estás bien con Él, porque eres libre de dirigir tus pensamientos hacia Él. Pero si no estás bien con Dios, sólo puedes volcar tu mente sobre ti mismo. Cuando permites que algo te oculte el rostro de Jesucristo, estás perturbado por algo, o tienes un falso sentido de seguridad.

Si, en este momento, un asunto te apremia, ¿tienes los ojos en Jesús y estás recibiendo paz de Él? Si es así, Él será una grata bendición de paz en y a través de ti. Pero, si le das vueltas al asunto una y otra vez, lo olvidas a Él y bien mereces todo lo que te pasa. Perdemos la paz y nos llenamos de ansiedad porque no lo hemos estado teniendo en cuenta. Cuando uno consulta con Jesucristo, la confusión se desvanece, porque en Él no hay ninguna confusión. Preséntale todo y ante la dificultad, el duelo y la aflicción escúchale decir “No se turbe vuestro corazón“, Juan 14:27.

AVIVAMIENTOS

(www.avivamientos.net)

“…Ojos era yo para el ciego, y pies para el cojo… y examinaba la causa que no conocía“, Job 29:15,16