Archive for November, 2014

Posted: November 24, 2014 in Cristianismo na 1a Pessoa-Protestantismo

“Novidade de vida é viver a verdade, em verdade, pela verdade, repleto de verdade. Isso se consegue obedecendo aos mandamentos de Deus, como expressão de conhecimento Dele.” – Mario Fernandez

“Y cuando él venga, convencerá al mundo de pecado…”, Juan 16:8

Somos muy pocos los que sabemos algo acerca de la convicción de pecado. Conocemos la experiencia de estar perturbados debido a que hicimos lo malo, pero la convicción de pecado por el Espíritu Santo borra todo vínculo terrenal y nos hace conscientes de una sola relación: “Contra ti, contra ti solo he pecado…”, Salmo 51:4. Cuando alguien se convence de su pecado de esta manera, sabe con toda la capacidad de su conciencia que Dios no se atrevería a perdonarlo. Si Él lo hiciera, esa persona tendría un sentido más fuerte de la justicia de Dios. Él sí perdona, pero para que esto fuera posible le costó el desgarramiento de su corazón por la muerte de Cristo. El gran milagro de la gracia de Dios es que Él perdona el pecado y que sólo la muerte de Cristo le permite a su naturaleza perdonar sin contradecirse a sí misma al hacerlo. Es un desacierto superficial decir que Dios nos perdona porque Él es amor. Cuando realmente seamos convencidos de pecado, jamás volveremos a decir esto. ¡Su amor significó nada menos que el Calvario! La cruz es el único lugar donde su amor se explica, la única base sobre la cual Él me puede perdonar. Es allí donde su conciencia queda satisfecha.

El perdón no significa simplemente que Dios me salva del infierno y me prepara para ir al cielo (nadie aceptaría el perdón en ese nivel). El perdón significa que soy perdonado para entrar en una relación creada de nuevo, la cual me identifica con Dios por medio de Cristo. El milagro de la redención es que Dios me lleva a mí, un impío, hasta su nivel de vida, el de un santo, porque me imparte una nueva naturaleza, la de Jesucristo.

AVIVAMIENTOS

(www.avivamientos.net)

“…Ojos era yo para el ciego, y pies para el cojoy examinaba la causa que no conocía“, Job 29:15,16

 “Quando ele vier convencerá o mundo do pecado… “João 16.8

Poucos de nós sabe realmente o que seja convicção de pecado; provavelmente, tivemos apenas a experiência de nos sentirmos perturbados por termos feito coisas más e erradas. Mas, a convicção de pecado operada através do Espírito Santo coloca logo de lado todos os tipos de demais relacionamentos em relação a Deus sobre a terra, deixando apenas um: “Pequei contra ti, contra ti somente pequei!”, Sal.51:4. Quando alguém se convence do pecado desta maneira específica e peculiar, sabe, com toda a pujança de toda a sua consciência que Deus não ousaria perdoá-lo apenas por perdoar e sem se converter, senão o homem manteria seu sentido soberbo de justiça em si próprio mais forte do que o sentido de Deus. Deus perdoa, mas, isso custou-lhe um profundo sofrimento, com a morte de Cristo. O grande milagre da graça de Deus é que ele perdoa os nossos pecados, mas, a única maneira através da qual a natureza divina pode perdoar e ainda permanecer fiel a si mesma dentro de nós, será mediante a morte de Jesus Cristo em nós. É absurdo dizer que Deus nos perdoa porque ele é amor. Depois que sentirmos a convicção de pecado, nunca tornaremos a dizer tal coisa. O amor de Deus significa Calvário e nada menos que isso; esse amor só é explicado pela cruz que tomamos e de nenhuma outra forma plausível. Deus dispõe de uma única base para me perdoar: a cruz do meu Senhor em mim. Ali, a sua consciência se satisfaz por ela mesmo.

O perdão não significa apenas que sou salvo do inferno e preparado para o céu (ninguém aceitaria perdão desse jeito específico sequer); o perdão significa que passo a ter um novo relacionamento numa identificação real com Deus em Cristo Jesus em mim mesmo. O milagre da redenção é que Deus, ao colocar dentro de mim como pecador que sou, uma nova disposição, a própria de Jesus Cristo, torna-me santo como ele é santo logo ali também.

REAVIVAMENTOS

(www.reavivamentos.com)

Olhos para o cego e pés para o coxo… pai para o orfão e a causa que desconhecia, investiguei…” Jó 29:15,16

Está claro desde o início da parábola o propósito de Jesus em contá-la:
Verso 1: “…para lhes mostrar que deviam orar sempre, sem nunca desanimar.

Não te canses de orar!
Também está claro que Jesus faz uma comparação entre Deus e o injusto juíz no sentido de que Deus é melhor que este último, que apenas atendeu a viúva depois de ver-se incomodado por ela durante muito tempo.
Verso 7: “ Nao fará Deus justiça aos seus escolhidos que chamam por ele dia e noite? Acham que os vai fazer esperar muito?

Algumas diferenças entre Deus e o injusto juíz

 Verso 2: o juíz nao temia a Deus e muito menos tinha respeito por outrem.
 Deus merece ser respeitado pelo homem, no entanto independentemente da sua natureza, Ele respeita a vontade do homem mesmo quando este decide erradamente e escolhe desobedecer ao seu Criador.
 Verso 5: a motivação do juíz em atender a viúva: vou fazer-lhe justiça para que ela não me faça esgotar a paciência.
 Versos 7,8: Deus age no seu tempo e tem prazer em estar ligado ao seu rebanho a quem chama de seus escolhidos.

1. O que é oração?

Uma simples definição: orar é transmitir intencionalmente uma mensagem para Deus.
Nesta mensagem:
a) Podes pedir por algo (suplica) Mateus 7:7
b) Podes louvar ou adorá-LO. Salmo 145:2,3
c) Podes agradecer pelos seus dons e todos os seus actos. Apocalipse 11:17
d) Podes confessar os seus pecados e dizer a Deus que estás arrependido. Salmos 32:5
e) Podes reclamar/lamentar ou queixar-se para com Ele. Salmos 142:1,2
Algumas vezes o nosso coração reclama sobre circunstâncias que Deus nos dá, não obstante não ser a melhor opção, é sempre melhor direcionar conscientemente tais reclamações a Deus do que pensar que Ele não os vê. Agir como se não estivesse a reclamar é hipocrisia, torna-te num falso e uma pessoa superficial no final de tudo.
f) Podes orar a favor de alguém (intercessão). 1 Samuel 12:23; Efésios 1:16

2. Onde ou com quem posso orar?

i) Sozinho. Mateus 6:5,6
ii) Com a sua família (todos os dias). 1 Pedro 3:7
iii) Em pequenos encontros com outros cristãos. Mateus 18:19,20; Actos 4:29-31
iv) Durante os cultos.
v) Em todo o lugar, em qualquer lugar, em qualquer momento clame ao Senhor. 1 Timóteo 2:8

3. Se Deus é omnisciente por que devo orar?

 Porque Deus ordena:
Orai uns pelos outros para que sejam curados. Tiago 5:16
Orai sem cessar. 1 Tessalonicenses 5:17
Orem para que não entreis em tentação. Lucas 22:40
Abençoem quem vos amaldiçoa e orem por aqueles que vos tratam mal. Lucas 6:28
Portanto, devem orar assim: “ Pai nosso que estás nos Céus…” Mateus 6:9

 Porque aumenta a minha alegria. João 16:24
Se a sua alegria em Deus é pouca, pode ser devido a falta de oração. Ore para que a sua alegria seja completa.

 Porque é um privilégio incrível e maravilhoso. Romanos 11:34-36; Tiago 4:2
Nunca passarei uma informação a Deus que Ele ainda não saiba. Ele é Deus.
Deus ordena-nos a transformar as nossas orações em causas reais de eventos reais. O verso de Tiago 4:2 não quer dizer. ‘Obterás de qualquer forma mesmo se não orares uma vez que Deus já tinha um plano e as suas orações não importam.’ ‘Não têm porque não pedem’ significa, a oração produz coisas que não aconteceriam se não houvesse orações. Negligenciar este privilégio-participar no mover de Deus na terra- é uma tolice.

Referências:
– El Predicador, Sermões de um fazedor de tendas, 2013.
– John Piper, Pray Like This: Hallowed Be Your Name. Desiring God Foundation.
30 dez 2007. Disponível em:. Consultado em: jun 2013.