Archive for May, 2013

Give ear …

Posted: May 25, 2013 in Serious Christianity
Tags: , ,

Give ear to the word of the Lord, O children of Israel; for the Lord has a cause against the people of this land, because there is no good faith in it, and no mercy and no knowledge of God in the land. Hosea 4:1

Ouvi a palavra do SENHOR, vós filhos de Israel, porque o SENHOR tem uma contenda com os habitantes da terra; porque na terra não há verdade, nem benignidade, nem conhecimento de Deus. Oséias 4:1
イスラエル人よ。
主のことばを聞け。
主はこの地に住む物と言う争われる。
この地には真実がなく、誠実がなく、神を知ることもないからだ。ホセア書4:1

Esforcemo-nos por conhecer melhor o SENHOR. A sua vinda é certa como o aparecimento da aurora. Virá até nós como a chuva no inverno ou os chuviscos que, na Primavera, regam a terra. Oséas 6:3

Return

Posted: May 25, 2013 in Christianity in the 1rst Person

Return, O Israel, to the LORD your God, for you have stumbled because of your iniquity. Hosea 14:1

Therefore thus I will do to you, O Israel; because I will do this to you, prepare to meet your God, O Israel. Amos 4:12

Neste dia, nos juntamos aos milhares de cristaos que sao perseguidos por causa da sua fe, orando por eles; pelos perseguidores.
Junta-se a esta causa, fale com o seu pastor, lider, etc, divulgue e nao esqueca:ORE!

Please, lets join, lets share our love, lets tell our beloved we’re suffering with them.
It’s time to pray for them.

In this video, the Willow Creek Community Church’s Senior Pastor Bill Hybels explains the importance of meeting with God every day.

Bill Hybels responds to this common complaint: “I just can’t make time for a meeting with God. I can’t fit that into my busy life.”
“I’ve always been able to make time for what I value.”

Is the unborn child a person? What do the experts say?

Obs: Este é um artigo que tenho estado a estudar nos ultimos tempos com alguns amigos meus (meus + novos. rsrsr!) aqui na net e espero que seja um canal de edificação para si.

 

A ciência afirma que existe um princípio segundo o qual todos os processos físicos tendem a tornar-se mais lentos, frios e gradualmente desordenados. Chamam a isto a “Segunda lei da termodinâmica”.

 Ninguém precisa ser cientista para concordar com esta afirmação. Basta apenas observar que não conseguimos mais correr como corríamos antes, não mantemos a mesma medida de entusiasmo que tínhamos antes, e não conseguimos lembrar fatos com a mesma facilidade com que lembrávamos antigamente.

 A “segunda lei” acha-se presente em todos os aspectos de nossa vida física. Sabemos que existe uma lei semelhante em operação no plano espiritual. “Se não tomarmos providências para evitar que a nossa vida se deteriore, ela se desintegrará.”

 

Jesus diz a mesma coisa com as seguintes palavras: “Porque a todo o que tem se lhe dará, e terá em abundância; mas ao que não tem, até o que tem lhe será tirado.” (Mt 25.29).

 Um culto que antes era fervoroso tende a tornar-se frio e formal. Uma obediência que antes era imediata, começará a retardar até tornar-se desobediência. Um testemunho que antes era sincero, tende a ficar estagnado.

Se nossa vida espiritual for deixada ao acaso, podemos estar certos de que declinará em todos os sentidos. Por esta razão, é necessário que, periodicamente, nós nos examinemos sob a inspiração do Espirito Santo.

Damos a seguir algumas sugestões que podem orientar-nos nessa auto-análise.

Examine a sua conversão

Você tem permitido que sua língua funcione sem vigilância? Antes você era muito cauteloso com a maneira como falava com sua esposa. Evitava ferir os sentimentos dela. Mas nos últimos dias, está falando a primeira coisa que lhe vem à cabeça, sem se importar se suas palavras vão magoá-la ou não?

Você tem reagido violentamente contra as palavras de outras pessoas? Tem dado respostas prontas e meio ásperas, quando alguém diz algo a seu respeito que não é muito lisonjeiro? Como têem sido suas palavras quando alguém o interrompe em meio à descrição de um projeto ou de um programa que você aprecia?

É impressionante como as pessoas têem um grande cuidado na escolha das palavras quando se encontram num local de trabalho, ou quando estão conversando com alguém que conhecem pouco. Se pudéssemos ouvi-las quando chegam em casa e se acham com seus queridos, iríamos indagar o que causou tal mudança.

Entre estranhos, sempre dizemos: “eu gostaria de sugerir…” mas em casa: “ponha logo esse jantar na mesa, estou com muita pressa”. No escritório, dizemos: “poderia trazer-me um cafezinho, por favor?” Mas em casa: “ei, saia da frente, assim não posso ver o noticiário.” Esse descuido na conversação certamente vai refletir-se num esfriamento espiritual.

Examine seu arrependimento

Um dos profetas do passado disse certa vez o seguinte: “Rasgai o vosso coração, e não as vossas vestes…” (Jl 2.13). E essa ordem foi bem compreendida pelo povo de seu tempo. Naquele tempo, rasgar as roupas era um modo muito comum de uma pessoa mostrar que se achava profundamente triste, preocupada ou aflita.

Infelizmente, segundo a opinião do profeta, havia muita rasgação de roupas, mas pouco arrependimento. Havia muita atuação simbólica, mas as atitudes que ela representava não existiam realmente. Recentemente, uma pessoa chamou nossa atenção para um exemplo clássico dessa superficialidade.

Ela contou que um de nossos presidentes, após fazer um apelo público aos americanos para que dedicassem determinado dia à oração e meditação, passou esse dia num campo de golfe. Mas examinemos a nós mesmos. Somos nós que precisamos efetuar essa auto-avaliação. A pergunta a ser feita é a seguinte: “existe algum pecado em minha vida, no presente, do qual ainda não me arrependi?”

Examine seu crescimento espiritual

A melhor maneira de avaliarmos nosso compromisso espiritual é fazendo um retrospecto. Então, o certo é efetuarmos uma auto-análise de vez em quando, para sabermos se estamos crescendo.

Em geral sentimos que nossa vida é constituída de etapas. Na esfera espiritual, a primeira dessas etapas seguiu-se à nossa experiência de arrependimento e recebimento de Cristo como Senhor e Salvador. Mas certamente, essa não deve ser a última fase do desenvolvimento espiritual. Então chegou um momento em que desejamos outras bênçãos além do perdão dos pecados.

Sabíamos que precisávamos de uma pureza interior que ainda não havíamos experimentado. Além disso, necessitávamos de maior entusiasmo em nosso esforço de ganhar outros para Cristo. E foi assim que, provavelmente, subimos  outro degrau e recebemos a Cristo como nosso santificador, que nos encheu com o seu Espírito Santo.

Mas o problema começa quando nos deixamos ficar num desses degraus e não seguimos em frente. Você está crescendo ou está parado?

Examine o seu tempo de oração

Vida cristã é relacional. A oração nos mantem focalizados em Deus. Infelizmente, para muitos, a oração por vezes chega ao nível formal provavelmente cansados por não verem respostas e passam a fazê-la apenas por regra religiosa e não mais por desejar maior intimidade com Deus. E assim, a oração vai perdendo o seu poder e o principal foco que é Deus. Estar em comunhão com Deus também prova o quanto O amamos e desejamos ardentemente falar com Ele.

Não seria um privilégio, para nós, falar com o Criador do Universo? E não apenas desejar as suas bênçãos. Que tal começar a agradecer-Lhe por este privilégio e por toda sorte de bênção que já recebemos.

Examine seu estudo da Bíblia

Muitas pessoas, às vezes, vêem ao altar após um culto, e revelam uma carência espiritual, mas não sabem definir com clareza o que está errado. Então eu lhes pergunto: vocês têem lido a Bíblia como antes? E, de modo geral, a resposta é a seguinte: para ser sincero, devo confessar que não.

Uma senhora que fora missionária na Coréia durante cinqüenta anos, visitou certa ocasião um seminário. O diretor da instituição notou que muitos dos seus colegas iam aconselhar-se com ela, e saiam dali radiantes. Então, ele também foi falar com ela.

Mal a porta se fechara, ela lhe perguntou diretamente: com que freqüência o senhor está lendo a Bíblia? Pego de surpresa, ele respondeu: ora, eu sou diretor deste seminário! Entenda uma coisa, disse ela. Não foi isso que eu perguntei. O que quero saber é com que freqüência o senhor está lendo a Bíblia para a edificação de sua alma.

Meio envergonhado, ele confessou que raramente lia as Escrituras com este objetivo. O descuido da verdade, com toda a certeza, leva-nos a esfriar. E negligenciar o estudo da Bíblia é descuidar da verdade.

Examine sua comunhão com os irmãos

Existe muita coisa por aí que consideramos comunhão e que realmente não é. É muito fácil estarmos em companhia de pessoas, sem realmente termos comunhão com elas. É possível uma pessoa ir à igreja, ouvir a mensagem e os cânticos, e sair dali sem ter tido um minuto de comunhão.

É também possível termos um calendário cheio de atividades sociais, e uma vida vazia de comunhão. A comunhão cristã é um encontro de corações e mentes em torno de questões que são partilhadas de modo peculiar pelos cristãos.

Como seres humanos, temos muitas coisas em comum com outros cristãos – e somente com outros cristãos. Uma delas é nosso amor por Jesus, e também nossa gratidão pelo perdão e pela vida eterna.

Nós nos interessamos pela condição da humanidade perdida. Temos aquele desejo de que Cristo seja reverenciado aos olhos dos outros. Temos experiência dos dons de Deus e Sua graça. Temos testemunhos de vitória sobre as tentações.

Conversas sobre a conduta dos filhos, os últimos resultados dos jogos de futebol,  ou a crise mundial, não constituem uma verdadeira comunhão cristã. Podemos debater esse tipo de assunto com qualquer pessoa. Mas não são o terreno comum no qual os cristãos se acham unidos.

Portanto, é possível um crente falar o dia inteiro sobre diversos assuntos e ao final sair dali sem o menor sentimento de edificação. Não fomos edificados porque estivemos cultivando amizade e não comunhão.

Examine o que tem lido ultimamente

Conta-se que William Parker, o grande pregador, muito cedo na vida tomou a decisão de ler somente aquilo que pudesse capacitá-lo a pregar e ensinar a Palavra de Deus. Ele não apenas lia muito, mas selecionava o que lia. Infelizmente, muitos nem selecionam.

Raramente conseguem lembrar qual foi a última vez que leram alguma coisa de valor ou de grande importância. E, no entanto, os bons livros podem transformar vidas! Bacon afirmava que “ler torna o homem mais completo”. E a poetiza Elizabeth Browing disse: “os livros são homens de grande estatura.”  O que você tem lido ultimamente?

Examine suas ligações de dependência

Um dos mais importantes princípios para um viver cristão vitorioso é o da crescente dependência. Isso significa que toda vez que recebermos uma orientação do Senhor devemos esperar que ela seja singular.

Nem sempre Deus nos dá a mesma orientação. Com Moisés, por exemplo, uma vez ele mandou bater na rocha. Mais tarde ordenou que falasse a ela. Assim também é conosco. Mas é possível que estejamos cultivando certas dependências falsas, que drenam toda a nossa energia espiritual.

1. Talvez estejamos confinados em nossa atual posição com relação à nossa segurança econômica, em vez de confiarmos em Cristo.

2. E para o caso de perdermos o emprego, estamos confiados em nossas próprias habilidades, em vez de no Senhor.

3. Podemos estar sentindo segurança em nossa conta bancária.

4. Podemos estar confiados no nosso governo.

5. Para nosso crescimento espiritual, podemos estar demasiadamente confiados num bom amigo crente.

6. Para o serviço cristão no futuro, podemos estar confiados em nosso talento, ao invés de nos apoiarmos em Cristo e nos seus dons divinos.

7. E nas decisões básicas da vida, podemos estar mais confiados em nossas intuições e palpites do que na orientação do Espírito.

Todas estas coisas são fundamentos falsos. Estão tomando o lugar de Deus.

Examine seusespinhos

Quando o povo de Israel tomou a terra de Canaã, o Senhor lhes disse que se não destruíssem os cananitas eles se tornariam como espinhos “em suas ilhargas”, a fim de levá-los a buscar a Deus.

É importante que reconheçamos quando um espinho nos está irritando, e reajamos à pontada dele com uma atitude de arrependimento. Muitos crentes não percebem os espinhos que permanecem em sua vida como resultado de uma consagração incompleta. A tendência deles é atribuir aquela dificuldade a Satanás ou a alguma causa natural.

Talvez a sua dor se manifeste em inquietação… e enquanto isso, o espinho é pecado não confessado, ou uma relutância em encarar o pecado e em reconhecê-lo como tal.

Talvez a dor seja cansaço… e o espinho, o fato de não querer pedir perdão, ou uma atitude de rebelião contra certas circunstâncias que Deus permite em sua vida.

Talvez a dor seja nervosismo… e a razão dela, o fato de você não querer abandonar um mau hábito, como o de permitir-se acessos de raiva, ou deixar-se mergulhar em autopiedade.

Temos de reconhecer a existência desse espinho e tomar a providência que se fizer necessária, pela natureza dele.

Pode ser que logo que começou a ler este artigo você tenha sentido que está esfriando espiritualmente, mas relutando em examinar sua vida, por recear ficar deprimido. Mas a auto-análise não tem por objetivo ser um fim em si mesma. Ela é apenas o primeiro passo, no sentido de se obter o perdão, e uma nova condição para receber a graça.

Se você resolver encarar todas as coisas que o estão puxando para baixo, confessá-las a Deus e resolver modificar-se, Ele o perdoará imediatamente e o restaurará. “E estando prontos para punir toda desobediência, uma vez completa a vossa submissão.” (2 Co 10.6)

 E Ele fará ainda mais: colocará diante de nós outra porta aberta para a obediência, para que possamos, seguindo em frente, obter uma paz maior, um poder maior e um maior progresso espiritual.

 

* T. A. Hegre – Pastor e fundador da Missão Evangélica Betânia dos Estados Unidos.

Revista Betânia – Ano 1 – n.º 3 – Janeiro/Abril 99.

Yes!! Through CHRIST.